Somaterapia

Acordada, enfim. Contudo, se não é meu útero que me move, se não é a expectativa de penetrar e deglutir o dia – suas crises, seus sabores – não sei pôr meus pés no tapete sob a minha cama. Desaprendo os passos. Erro a mão no sal. Nego minha participação neste dia, do qual nada espero.

Há quem chame “depressão”. Mas não eu. Sei que é simplesmente falta, ausência, esgotamento de tesão.

A mente vazia. O corpo ressecado. Um silêncio de morte.

Sufocamento da anarquia. Cessão a tudo o que é pequeno, hierárquico, burguês. Germina a semente do autoritarismo social, do capitalismo e sua imensa teia de controles a impactar as relações humanas, as individualidades, e o simples ato de sair da minha cama.

A falta de tesão é um lapso ideológico.

É ceder à provinciana necessidade de que amor tenha tamanho, lugar e definição. É o revés da entrega libertária. É aguar o bom do amor. É sonegar o impulso de amar.

Não, obrigada. Eu quero inteiro, e não pela metade. Porque pela metade não sei dar. Não quero dar. Não me interessa. É feio. É banal. E um tantinho ridículo.

Mas onde foi mesmo parar o meu tesão?

Anúncios

Sobre mistakegirl

Vaca profana por princípio e vocação... la leche buena toda em mi garganta, la mala leche para los puretas... Ver todos os artigos de mistakegirl

6 respostas para “Somaterapia

  • anônimo

    esse mundo errado. esse desajuste de tempo e lugar. saudade, descompasso, desconforto. esse desrespeito ao que do amor deveria ser indissossiável: a liberdade.
    sim, é feio e banal. e não há tesão que suporte a falta de beleza.

  • Maria e João

    Menina, fiquei matutando para comentar aqui… mas a matutância foi em vão, pois só me veio a mente a teoria daquele Sr., que outro dia você citou lá no post do “L” em ângulo.

    “Quero cada vez mais aprender a ver como belo aquilo que é necessário nas coisas: – assim me tornarei um daqueles que fazem belas as coisas.

    Amor fati (amor ao destino): seja este, doravante, o meu amor. Não quero fazer guerra ao que é feio. Não quero acusar, não quero nem mesmo acusar os acusadores. Que minha única negação seja ‘desviar o olhar’! E, tudo somado e em suma: quero ser algum dia apenas alguém que diz sim.”

    Não sei… ainda estou concatenando minhas ideias sobre meu comentário…

  • Trodat

    Também estou procurando o meu. Se você achar por aí me avisa…

  • Trodat

    Como uma coisa liga à outra, Somaterapia leva ao Roberto Freire, que leva à Cleo e Daniel, um dos meus livros de cabeceira do final da adolescência. E leva ao Concierto de Aranjuez, na belíssima e prá lá de tocante intrepretação do Miles Davis, que girava e tocava sem parar nas páginas do livro e da minha vida naquela época. Vale a pena, a música e o livro.

    • mistakegirl

      Olha, na base do Concerto de Aranjuez (a gravação clássica da minha infância era de um LP de canções francesas que meu pai ouvia à exaustão, tinha a capa ocre e a estátua esverdeada de um leão) acho mais possível as nossas depressões se esbarrarem por aí…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: