Arquivo do mês: março 2012

Traiçoeira e vulgar
Sou sem nome e sem lar
Sou aquela


imagination is funny

Cada um rabisca o que pode no seu caderninho, né?


Classificados

Já dizia São Karl Marx que tudo que é sólido desmancha no ar. Tempos efêmeros estes em que vivemos… tudo acaba! Menos o tender do natal e as prestações da esteira elétrica que já virou cabide. E assim, imersa em reflexões existenciais, concluí que também os vibradores têm um dia, o seu ocaso.

Vejam o Arnie. Após anos de bons serviços prestados, pediu penico. Homens são assim. Quando mais se precisa deles, arregam! É por isso que meu próximo vibrador será uma menina! À hora oportuna, escolheremos o nome!

Bem, Arnie, este post é em sua homenagem: que a terra lhe seja leve. Guardarei lembranças. As melhores.

Mas, como the show must go on, fui dar uma investigada no que estava rolando no mercado de produtos eróticos, e foi assim, amável ouvinte, que descortinou-se um mundo mágico à minha frente…

Tendo resolvido que merecia um upgrade, baixou a Samantha Jones e decidi finalmente adquirir o tradicional Rabbit. Uma amiga emagreceu dois quilos na semana em que comprou o seu, o que é argumento mais que suficiente!

Mas aí vi este aqui:

Achei essa curva muito inspirada. Estou muito inclinada para este!

Então cheguei a este site onde os caras são bestas e tem a própria versão youppie do Rabbit:

E no mesmo site tinha esse irmão rico do Arnie! À prova d’água, ainda! Pirei! Já estou acostumada com o sistema que, posso atestar, traz muita alegria! Olha que bonitinho, gente:

E ainda essa anatômica pérola do disfarce:

E, last but not least, oooolha pra isso!

Fator aterrorizante: os últimos dois são de ouro! O massageador custa 8 contos e o vibro 54 contos… todos à prova d’água, com três botões que controlam oito níveis de vibração! E ainda prometem, a cada 2 horas de carga, 6 de prazer!!!

É por isso que este post é também pra anunciar a venda de meus bens mais preciosos: meu LP autografado das Patotinhas, minha escultura do Smeagol e o bonequinho do Munch. Podendo se negociar um boquete, e uma percentagem discreta de minha alma depravada.

E pensar que eu passei tanto tempo usando o fura bolo e o pai de todos… tsc


Na mão do palhaço

Preciso me lembrar de cumprimentar a passadeira…


ou…


Eu escolho
um homem
que não duvide
de minha coragem
que não
me acredite
inocente
que tenha
a coragem
de me tratar como
uma mulher.

(Anais Nin)


Carlos amava Dora que amava Lia que amava Léa que amava Paulo que amava Juca que amava Dora que amava
Carlos amava Dora que amava Rita que amava Dito que amava Rita que amava Dito que amava Rita que amava
Carlos amava Dora que amava Pedro que amava tanto que amava a filha que amava Carlos que amava Dora que amava toda a quadrilha


é sempre bom lembrar…


Cio

A pessoa posta em desassosego, tanto quanto a mente ociosa, é oficina do diabo… especialmente se essa pessoa for mulher.

Assim, considerando que ando numa fase “fogo de morra acima, água de morro abaixo”, fico catando sacangens interessantes na blogsfera . Sei lá, deve ser porque não é torturante o suficiente passar o dia com tesão. Mais eu ganhava em tomar uma atitude efetiva que resolvesse o problema, mas, como nem sempre isso é viável, me contento com a busca de algo interessante para ler, ver, quem sabe? E sempre há o Arnie, de uma fidelidade canina, com quem contar, apesar do mau contato.

Raramente acho algo que me falhe uma batida, e me contraia as esferas mais interiores da pelve.

Contudo, ando obtendo êxito.Possivelmente porque o melhor tempero da comida, é a fome. E eu tô literalmente de larica.

Primeiro, uma historinha curta de uma certa moça que foi comida com raiva (ser comida com raiva, ai), enquanto era inquirida nos seguintes termos: – Tá gostando de me dar piranha? Tá gostando de fuder com o tio do namoradinho, tá? Daí que isso fica vontando à minha mente normalmente imaculada. O que me leva ao estado de buscar novos estimulantes.

E foi assim que, navegando por aí, fui parar nesse blog: http://almaencarnada.blogspot.com.br/ , cuja última postagem foi em 2011. Teria tudo pra não me prender a atenção. Desde detalhes os quais não mencionarei aqui por delicadeza (e também porque para o objetivo, no fim, não faz a menor diferença) até o fato de que o cara é obsessivo por sexo anal. Não me lembro de já ter visto obsessão tão manifesta. Mas o caso é que ele escreve com tanto vigor, de modo tão intuitivo e eloquente, que me lembra Bocage, o que é um PUTA elogio. E tem uns desenhos legais, alguns que eu reconheci, tem Paolo Eleuteri! Intrigante…

E eis que eu fui contagiada pela empolgação do sujeito.

Ai, cada coisa, né?


Luis Royo