Arquivo do mês: agosto 2012

Assombro

 

Pôsto o quanto sexo é uma coisa sensacional, não canso de matutar em como é que as pessoas conseguem andar calmamente nas ruas, assim, como se fosse normal andar por aí enquanto você podia estar trepando.

Como elas conseguem?

Como eu consigo?

Por que?

Pra que?

 


 

– Bom dia!

– Bom dia. Quero você. Agora. Vem aqui.

 

(É preciso sempre tomar muito cuidado com o que se deseja, estou assustadoramente próxima daquele Gozo Cocoon!)

 

 


Se for escrever, não fume.

 

Eu gostaria de dizer que voltei cheia de novidades.

Mas a verdade é que o absurdo post abaixo foi escrito sob efeito de entorpecentes. Não faço a mais mínima idéia de ao que estaria me referindo, nem a quem supus que isso poderia interessar ao ponto de aguçar a curiosidade e muito menos imagino de onde tirei esse ar maroto engraçadinho. Vamos fingir que isso não aconteceu, ok, amiguinhos?

Enfim, volto em breve com um post decente.

 

Moral da História: quanto mais estúpidos são os homens, mais os cavalos os entendem.

 


 

Ficou curioso, né???

Mas só volto a escrever de terras cariocas…

Mistake Girl dá um tempo e volta já.

 

 


 

são

paulo

é

sempre

um

calafrio


Clue

 

Egocentrica, vivo dando uma olhada em meus escritos passados.

Gosto do que produzi aqui nesse canto.

Mas enfim, deparei-me com esta consideração:

 

Sim. Porque eu, kari’oca, que a despeito do sangue lusitano carrego no corpo e na alma as marcas de minha ascendência tupinambá tenho esse ímpeto antropofágico de devorar espíritos guerreiros, consumindo seus corpos e almas num um ritual lento e indelével.

Quero sexo porque eu te achei sensacional e te quero pra mim.

O resto é balela.

 

Eu sabia que tinha deixado pistas.

Não me venha com chorumelas. Nem de borzeguins ao leito, ó pá.

Tsc.


certas coisas não se sentem só com o coração

 

você é minha cadeia enjaulado fico preso no seu

 

C

O

R

P     Pra que fugir? Me entregar é a única saída

O     O  meu    c o r a ç ã o    o  meu   c o r a ç ã o

 

preso nessa sela abre as  PERNAS  da sua  paixão

 

Sou resto de uma idéia

de  uma  nova rebeldia

o  povo dessa  selva  se

balança  de  alegria  ve

jo  a tristeza de enchar

car    de   euforia  ! ! ! ! 

 

Bamba balança balança suas rédeas
querem o meu leite o suor das minhas tetas

 

Você me encontrou e fechou todas as portas bebe do meu leite do suor das minhas tetas.

 

(Enquanto feras estão soltas você me tortura a cada carência
                                                                                                  e a cada  violento
                                                                                                                 arranhão)
 
 

Se pensa que isso é paixão esqueça
Certas coisas não se sentem só no coração

 

Será que alguém entende o meu amor?

Você deve compreender o meu estranho jeito

De ser demente escravo do seu corpo

Ou também acha esse o meu maior defeito?

 

(A canção é dos Picassos Falsos. Foi lançada em 87 e, aos 12 anos, já me dava um certo frisson. Pouparei os amigos leitores da estética anos 80 do clipe original e postarei aqui esta outra versão, mais cool, do Toni Platão com a Zélia Duncan)

 

 


Panfleto

Creio nisso profundamente.

Quais são os limites das imposições da cultura ocidental nas minhas opções amorosas e sexuais?

Quem manda no meu tesão?

Que decisões estéticas permeiam meu gosto pelos corpos, seios, paus, narizes? Qual o nível de consciência dessas decisões?

Pôsto que posso bater no peito e me orgulhar de meu senso ético, posso, também, defender publicamente as minhas escolhas. Ou as que me interessem tornar públicas. E essa é a decisão política da história. Definir e propalar essas escolhas é usa-las ideologicamente.

Não nos enganemos. As escolhas feitas, ainda que no âmbito mais privado, por si, já são ideologicas.

Você banca o seu tesão?


 

Ando desconfiada de que uma alma apaixonada não rende um bom blog…


 

Contei pra minha analista que tenho umas relações e um blógui pouco ortodoxos..

Oh my.

(Logo agora que eu tinha resolvido pagar a conta do analista pra nunca mais ter que saber quem eu sou. Saber quem eu sou…)